Servidora pública tem o maior número de perdas na família para a covid-19

Nina Rosa da Silva Batista (Foto: @roldobruce)

O coronavirus tem causado dor e sofrimento a muitas pessoas pelo mundo. São infecções, internações e mortes que não cessam.  O resultado é a fragilidade cada vez mais do ser humano perante um vírus letal.

Se a perda de um ente querido é dolorida, imagina de seis. Em Parintins, da família da servidora pública, Nina Rosa da Silva Batista, 50 anos, seis pessoas perderam a luta para o coronavírus (Covid-19).

Tudo isso em apenas oito meses. Conversamos, hoje, 24, com Nina Rosa, que relatou o infortúnio iniciado lá no dia 22 de junho de 2020, com o falecimento da irmã mais nova. Com o passar do tempo a dor só aumentou.

A perda mais recente, na família, para a covid-19, foi a avó de Nina Rosa, uma senhora de 95 anos, ocorrido no dia 20 de fevereiro. Um tio, já havia falecido no dia anterior. Nina Rosa, está com mais nove membros da família infectados pelo vírus; dois então em estado grave.

Nina Rosa, diz que este é um dos piores sentimentos que se possa imaginar: perder pessoas queridas. “É um sentimento indescritível, só conhece quem passa. O nosso consolo vem de Deus, nós somos uma família cristã, muito fervorosa, temos muita fé em Deus”, comentou.

Nina, faz um pedido para a população de Parintins. “Eu peço para que a população se ajoelhe perante Deus para ele nos curar dessa doença. Muitas pessoas perderam pessoas amadas de forma muito rápida e é necessário consciência. Não deixe que a doença chegue primeiro, a sua casa, para ter consciência”, pediu.

Nina, falou dos cuidados necessários. “Use álcool em gel, use máscara, cuidado quando ir ao supermercado. As pessoas devem se conscientizar, pois esta doença é fatal, pois ela pode entrar na sua casa e devastar. Tudo é questão de consciência”, orienta.

Nina, falou de amor ao próximo, empatia, respeito. Ela sabe que ninguém está de braços cruzados. As autoridades de uma alguma forma ou de outra estão lutando. Ela credita no esforço do prefeito da cidade e ela pede a conscientização das pessoas.

“Agora não é tempo de ficar andando por aí, fazer festa. O tempo é de nos voltarmos para nossas casas, refletirmos sobre nossa vida, de lembramos que acima de tudo tem um Deus. Ele tudo pode, mas nossa cidade precisa se voltar para Deus e acreditar que tudo isso vai passar” completou.

Na entrevista ao Blog Ilha Tupinambarana, Nina Rosa, lembrou dos profissionais de saúde que estão na linha de frente e dos que também perderam a luta para o vírus. Ela citou os médicos Rodolfo, Tarciso e Renato. Lamentou que pessoas ainda zombam dos outros e desafiam a doença.

Os falecidos da família da nossa amiga, Nina Rosa.

01 – Tereza Cristina Batista Bulcão (iirmã)

02 – Heloísa Almada da Silva. (tia)

03 – Eduardo Gomes (cunhado)

04 – Heider Augusto Almada da Silva. (tio)

05 – Zomar Reis e Silva Júnior. (tio)

06 – Jandira Almada da Silva. (Avó)

    Por Aroldo Bruce/ Blog Ilha Tupinambarana

você pode gostar também