E essa violência urbana que não cessa?

É inadmissível que Parintins, aqui no Amazonas, carregue nos ombros os mesmos problemas sociais de cidade grande. O combate às drogas, por exemplo, seria uma ação ideal para controlar a marginalidade e tirar muitos jovens das bocadas, do vício, do tráfico.

Isso seria possível, se o estado oferecesse a população uma política de segurança pública menos ruim. O governo do Amazonas parece não ter planos para equipar melhor a polícia e nem propostas de promover sensação de segurança às pessoas.

A Polícia Militar é a que mais sofre. O estado prometeu construrir o prédio do Batalhão Tupinambarana, mas tudo não passou de promessas. É um desrespeito com os profissionais da segurança que não têm local apropriado para ficar.

Falta de Armamentos, viaturas novas, tecnologias são evidentes. Os policias de Parintins não fazem mais porque não podem, são limitados. O comandante é uma pessoa preparada, inteligente, sabe como operacionalizar, mas sem equipamento e material humano o trabalho emperra.

A culpa é do governo do estado. Essa inércia de qualificar o trabalho da polícia, contribui bastante para a explosão da marginalidade; bocas de fumo, disputa por espaço, facções, traficantes aplicando terror na população.

Tudo isso poderia ser diferente se o estado fosse um estado justo com a segurança pública. Os policiais daqui fazem o que podem, mas não merecem correr tanto risco na profissão. São homens, pais de famílias e não podem estar somente com pistolas enfrentando bandido bem armados.

Blog Ilha Tupinambarana

você pode gostar também