Prefeitura de Nhamundá decreta lockdown por 10 dias

Imagem aérea da cidade de Nhamundá/ Foto: internet

A Prefeitura de Nhamundá, por meio do decreto n* 390, publicado nesta segunda-feira, 1 de fevereiro, decretou lockdown em todo território municipal. A medida estabelece ações preventivas mais duras durante o período de 10 dias, para enfrentar a emergência de saúde pública provocada pelo novo coronavírus.

A Prefeita de Nhamundá, Marina Pandolfo, comentou o porque implantar o lockdown no município. ‘Nos estamos com o hospital praticamente em colapso, os 11 leitos disponíveis para tratamento da Covid, todos estão lotados, tivemos que abrir uma outra ala, estamos trabalhando apenas com 25 cilindros de oxigênio, estamos nos desdobrando pra que não falte no hospital.

O momento é bastante crítico, temos muitos casos vindo da zona rural, por isso tivemos que implantar ações mais duras, para que o vírus não prolifere ainda mais no município, completou.

De acordo com o decreto, fica proibido a circulação de pessoas tanto na zona urbana quanto na zona rural, durante 24h de cada dia, salvo por força maior, nos casos previstos no decreto.

Outras medidas adotadas são:

1. Fica suspensos o licenciamento e/ou autorização para realização de eventos, reuniões e/ou quaisquer outras manifestações sejam públicas ou privadas; o atendimento presencial da Administração Privada e Pública.

2. Ficam suspensas todas as atividades de comércio considerados ‘não essenciais’, como: bares, academias, salões de beleza, barbearia, lotérica, lojas de roupas, sapatos, sandálias, apetrechos de couro, plástico e alumínio, conveniência, perfumarias, vendas de celular, equipamentos eletrônicos e similares e serviços de ambulantes.

3. Fica proibido a circulação de veículos, lanchas e barcos particulares no município (zona urbana e rural) durante 24h de cada dia.
4. Fica proibida toda e qualquer reunião, seja ela publica ou privada, independente do número de pessoas.

5. Fica proibido a entrada de lanchas e barcos que não comprovarem residências no município.

6. Os serviços essenciais devem funcionar apenas por delivery, considerados: supermercados e mercadinhos, açougues, padarias, farmácias e drogarias, feiras, peixarias e casas de frutas, lojas de material de construção, posto de combustível e gás de cozinha e Cartório de Registro Cidadão, com horários restritos como demanda o decreto, com exceção os serviços de saúde.

O decreto esta em vigor desde ontem (1). As multas variam de R$ 50,00 até R$ 1.500.

Assessoria de imprensa

você pode gostar também