Opinião: sem casa, sem comida e sem destino

Pessoa em situação de rua em Parintins/ Foto: Aroldo Bruce

Essa realidade não é mais exclusividade de cidade grande. E a muito tempo. Em Parintins, por exemplo, é comum encontrar pessoas nestas condições, cuja maioria é idoso. O homem, personagem deste artigo, estava sentado na calçada de uma residência na rua do curral do boi Caprichoso, centro.

Sujo e com umas bolsas ao lado parecia observar o ambiente, olhava para quem passava, porém, não pedia nada. Ficou ali por alguns instantes e, depois, foi embora no sentido bairro Palamares. Sempre com uma varinha na mão, talvez, para se proteger de algum ataque de cachoro.

Há relatos de que pessoa em situação de rua é o resultado do uso excessivo de drogas ou que tiveram seus vínculos familiares interrompidos ou fragilizados. Existe outros motivos, mas o objetivo aqui e refletir o quanto essas pessoas sofrem no dia a dia.

Sem casa, sem comida e sem futuro elas ficam, por ai, a mercê da própria sorte. São vulneráveis a doenças, violência física e tantas outras coisas ruins. Triste ver essa realidade, pois são seres humanos e vivem sem o mínimo de dignidade.

Em Parintins a Prefeitura, através da Secretaria de  Assistência Social, tem feito um trabalho significativo junto às pessoas em situação de rua. A reinserção familiar, programas sociais e outras alternativas são aplicadas, porém, a própria pessoa se isola de tudo isso.

É uma realidade triste, afinal, são seres humanos. Isso incomoda quem os ver, entretanto alguns procuraram essa ‘liberdade’, tavez, para fugir das injustiças e opressões que marcaram suas vidas  quando elas viviam com mais alguém.

 

Blog Ilha Tupinambarana

você pode gostar também