Opinião: olha ainda, ‘batendo perna’ na rua sem nenhuma necessidade

Mulheres andando tranquilamente pelas ruas de Parintins. Conversando, rindo e parecendo totalmente alheias a realidade do coronavírus. 

Está comprovado de que isolamento social é uma forma significativa de combate ao novo coronavírus. Países que aderiram essa prática, desde o início da pandemia, têm contabilizado poucos infectados e menos mortes. Ora, se o isolamento social é importante, então o povo é obrigado a desobedecer.

As autoridades de saúde recomendam o ficar em casa. A mídia tem sido fundamental na pulverização desta campanha. Políticos que gostam das suas cidades têm implorado para que as pessoas não saiam de suas casas, pois nas ruas elas poderão contrair o vírus e disseminar no meio da família.

Enfim, todo mundo está ciente disso. Entretanto, há pessoas em Parintins que não estão obedecendo as recomendações. Saem para rua sem nenhuma proteção, ficam ‘batendo pernas’ sem necessidade e são agressivas quando são chamadas à atenção. Tem pessoas em Parintins saindo de casa para fazer caminhada nas ruas.

Muito complicado. Só quem tem amor a vida sabe o quanto é importante evitar sair de casa neste período de pandemia. Ouço pessoas combaterem as recomendações. Elas dizem que precisam trabalhar, comer, pagar as contas e não têm outra fonte a não ser do próprio trabalho.

De fato é isso mesmo. Porém, o coronavírus não quer saber disso. Ele não escolhe velho, criança, adolescente, rico ou pobre. O infectado tem poucas chances de escapar, principalmente num sistema de saúde como o nosso. Se nos países ricos pessoas estão morrendo, onde a estrutura da saúde é melhor, imagina a nossa.

Hoje, meus amigos, nenhuma desculpa faz o coronavírus perdoar. Todos nós, homens e mulheres, trabalhadores, trabalhadoras, precisamos por comida na mesa, pagar as contas; mas temos que pensar na nossa vida e de nossa família. Este é um tempo para nos humilharmos ao pés de Deus.

Esse é um tempo de deixarmos às indiferenças de lado, esquecer às vaidades. Muitas pessoas se acham menores do que as outras. Se diminuem porque o vizinho é rico (tem todo o conforto dentro de casa) e elas não. Sorte dele, mas quando ele morrer não vai levar nada.

O que nós temos que fazer é obedecer, pois esse mal vai passar e quando tudo estiver normal, vamos recomeçar, mostrar que a obediência em tempos dificeis valeu a pena. Tenho certeza de que nesta cidade ninguém vai morrer de fome. A barriga vai roncar uma hora, mas a fome não matará ninguém.

Vamos obedecer as recomendações, gente. Vamos ficar em casa, vamos deixar Deus agir. Ele nunca desampara e para quem acredita nele, receberá a bênção.

#FicaEmCasa

você pode gostar também